Arquivo da tag: Maturidade

Maturidade.

Ontem a aula de Desenvolvimento Humano convidou-me a reflexionar sobre pontos importantes… Falávamos sobre maturidade, mas não a maturidade do ponto de vista do senso comum, e sim do ponto de vista da Psicologia, do ciclo vital. Quantas situações ilustradas … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Marcado com , , | 2 Comentários

Crônica da desilusão.

Meia taça de vinho tinto, a sacada e a Lua; vinham sendo sua companhia noturna já fazia tempo. O notebook na mesinha do jardim, versos inacabados abertos; um hobbie desleixado. É que a noite sempre a inspirava… Agora mesmo pensava … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Marcado com | 6 Comentários

Fênix.

Cinzas. Tudo o que restou. Dela, de tudo o que era. A auto-combustão parecia ocorrer desde um tempo imemorial, mas chegara ao fim. Dor, já não sentia mais. A morte, de tempos em tempos, ocorria dentro dela e já fazia … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Marcado com , | 4 Comentários

Felicidade inventada.

Acordou de repente com grande urgência de ser feliz. Sentiu, finalmente, que era preciso desistir da recusa. Porque há a recusa, há quem recuse a felicidade, e insistir nestes é também recusá-la. Ela amanheceu querendo, então, a própria felicidade, já … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Marcado com , | 3 Comentários

Antes tarde do que nunca.

Quero dizer a todos que mentiram pra mim esse tempo todo! Quem foi que inventou que o tempo ensina? Que o tempo é o senhor da razão? Isso é uma mentira folclórica! Porque, nesse tempo todo, eu aprendi foi com … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Marcado com , | 1 Comentário

Obra não-prima.

Tentando esconder os pequenos defeitos, tentando camuflar as pequenas falhas, sempre a cada amanhecer, antes de sair de casa. E hoje, só hoje, me dei conta de que não sou perfeita, não vou ser perfeita, tampouco. Eu nem quero ser … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Marcado com , | 2 Comentários

É preciso recolher-se.

de Lya Luft “Às vezes é preciso recolher-se. O coração não quer obedecer, mas alguma vez aquieta; a ansiedade tem pés ligeiros, mas alguma vez resolve sentar-se à beira dessas águas. Ficamos sem falar, sem pensar, sem agir. É um … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Marcado com , , , | 2 Comentários