Maturidade.

Ontem a aula de Desenvolvimento Humano convidou-me a reflexionar sobre pontos importantes… Falávamos sobre maturidade, mas não a maturidade do ponto de vista do senso comum, e sim do ponto de vista da Psicologia, do ciclo vital.
Quantas situações ilustradas lá fizeram com que eu recordasse minhas próprias atitudes… Talvez meu primeiro e mais difícil paciente seja eu mesma, ao longo do curso.
O fato é que existe a maturidade de cada fase, e não uma única e perpétua maturidade que se atinge uma única vez e pronto! Não há como dizer que aquele ou aquela é maduro ou não, porque a maturidade é relativa, ao momento, à situação, à fase… E envolve uma série de problemáticas como carga genética, estímulos do meio, percepção. Maturidade é uma questão muito mais complexa do que parece, na boca do povo.
A mesma pessoa pode, em determinada situação, apresentar um comportamento evidentemente maduro, e em outras, um comportamento completamente imaturo, é assim que as coisas são e continuarão a ser! E parece-me que o comportamento imaturo é sempre mais relevante do que o outro, para as pessoas…
Por mais que tenhamos uma postura madura, o comportamento que será destacado e considerado é sempre o imaturo. Somos avaliados pelas pessoas através do erro, e digo isso não sobre os outros, mas sobre minha auto-avaliação durante a aula.
Quantas vezes não dei valor maior àquela atitude imatura do outro e deixei de considerar todo o resto? Sendo eu mesma a imatura diante dessa situação.
Hoje eu sei que ninguém será completamente maduro e coerente a vida inteira, cada um tem o seu tempo de atingir o ápice de cada fase, e devemos respeitar isso, também fazemos parte desse ciclo. Eu sei que sempre existirão momentos em que as pessoas não vão agir de acordo com sua idade e experiência, e que isso não é um problema!
Muitas vezes somos muito mais maduros em certos aspectos do que em outros, eu mesma reconheci que minha maturidade cognitiva esteve sempre a frente da minha maturidade emocional, por exemplo. As pessoas são assim…
Eu sei que cobrei atitudes de pessoas que eu não tinha direito de cobrar, cobrei maturidade precoce em situações que eu não tinha direito de cobrar, fui severa em cima de atitudes imaturas alheias e não fui capaz de enxergar as minhas próprias. Isso tudo por não compreender que o meu tempo é somente o meu tempo, não é o tempo dos outros.
E hoje, coisas que me tirariam do sério já não tem esse poder, posturas e atitudes de antigamente já não se enquadram em mim, por outro lado existem novas situações e novas fases, isso significa novos erros, nova imaturidade. Como pode alguém ser maduro antes de não o ser?
Concluímos que, por mais que vivamos de atitudes maduras e imaturas e que isso seja normal, existe um momento em que algumas coisas não são mais aceitáveis, o desenvolvimento é contínuo, isso quer dizer que cada fase deve abrir caminho para uma outra, não podemos nos comportar eternamente como aos 15 anos, isso é patológico. Devemos, em certo momento, nos perguntar: Qual é o problema?
Qual é o problema de errar às vezes?
Qual é o problema de ceder às vezes?
Qual é o problema dele(a) não pensar como você?
Qual é o problema dele(a) não ter ligado na hora?
Qual é o problema dele(a) sair com os amigos?
Qual é o problema das pessoas pensarem o que quiserem?
Qual é o problema de tantas coisas pequenas que deixamos atrapalhar nossas vidas?
As respostas aos nossos problemas dizem muito sobre nossa maturidade, as coisas que denominamos como problema também. Pergunte-se de vez em quando qual é o problema, pergunte-se novamente no futuro, certifique-se de que a resposta não seja a mesma.

…………………………………………………………………………………………………………..…………………..

Pensamentos, somente.

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Maturidade.

  1. Vanessa Cony disse:

    Aline,gostei muito desse jeito ¨jornalístico ¨que usou.Houve um tempo em que pensei seguir por esse caminho.Concordo com você,a maturidade é relativa.No meu ponto de vista depende justamente para onde estão voltados os nossos olhos.Discursos maduros nem sempre correspondem a nossa própria realidade e por isso precisamos estar atentos.Atos e atitudes coerentes com nosso coração e nossa mente às vezes é bem difícil…

    ¨Precisamos estar atentos ao nossos próprios atos.
    Precisamos estar atentos as nossas próprias palavras.E na coerência entre os atos e as palavras.¨(Texto Incoerência)

    Beijo menina linda!
    Obs:A vida ensina no seu tempo…E a gente acaba aprendendo.

  2. Marinha disse:

    Profundo isso!
    A medida que lia tu texto, sentia que no final viria um mar de lembranças em minha mente. Dito e feito (ou pensado e feito)!
    Agora, me pergunto: qual é o problema…?
    Hoje, terei que agradecer. Obrigada por lançar teu olhar mesmo sem olhar-me nos olhos!
    Uma Páscoa de paz e sorrisos pra ti, querida.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s