Carpe Noctem.

Quando a alma amanhece e o Sol nasce, ficam expostas todas as nuances.
O dia revela as faces.
Mostra o que não é belo, e o que é, deixa-se revelar.
A noite camufla, confunde, dispersa.
A alma em crepúsculo, se põe devagar.
A pupila dilata, o que é mesmo belo e o que não o é?
A noite revela outras faces, facetas, façanhas.
Na noite não há nuances, apenas sombras.
Na noite todos são familiaremente estranhos.
Estranhamente iguais.
Não há defeitos, nem maquiagens, nem olhos castanhos.
E então podemos ouvir melhor.
A noite é tão misteriosa, perigosa, traiçoeira.
Sublime imperfeição.
Ah, como me encanta a singular contradição!
Tenho apreço pelo passível de erro.
É o que dá valor ao acerto.
Não te fascina tal segredo atroz?
Ela está em nós.
E além.

Eu pertenço à noite, mas ela, ela não percente a ninguém.

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

4 respostas para Carpe Noctem.

  1. Fernando disse:

    Poesia de cachaceira na noitada ein!!

    No começo, o sol nasce e a pessoa acorda do lado da baranga que ele pegou de noite. O sol se põe, ele usa dorgas, bebe bagaraio, fica todo mundo bonito de novo e bora tudo outra vez acordar com a baranga ao lado…. que vida…

  2. Aline!

    Quem bom ter um post seu novamente! Estava sentindo saudades…

    Para falar a verdade, não tenho apreço pelo pelo passível de erro. Concebo os erros como um caminho possível para os futuros acertos. Assim como a noite precisa do dia para cumprir o seu ciclo. Como já disse algumas vezes, tudo precisa do seu contrário.

    Ótima construção. Tenho a impressão que surgiu como um espasmo de inspiração (plagiando a Paula do Blog Espasmos de Inspiração), no meio da noite.

    Bjs. carinhosos e até breve!

    Erica (ou Keka)

  3. Evelyse disse:

    uia
    fia, essa me pareceu bem mais “leve” q as outras…se é q vc me entende…
    é a que eu mais gostei…
    😉

    Ta lindoo

    Bjo
    t amo bicha

  4. Vanessa Cony disse:

    Aline,linda inspiração.Às vezes nosso coração está tão cheio das mesmas coisas que nos tornamos repetitivas .Bom quando é tudo amor.Aquele de que falamos;que não mata nem maltrata;que enriquece e enobrece.
    Mas também é muito bom criarmos espaços para todas as outras coisas .Coisas essas que tornam nossos dias poesia.
    Um grande beijo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s