Ao que não arrisca.

Porque não arriscar? Vez ou outra me pego pensando… Quanta felicidade não renunciamos ao longo da vida, por medo? Quanta dor deixamos de sanar, quantas feridas deixamos de cicatrizar. Quanta vida deixamos de viver!
Eu não sei o que esperam as pessoas, para que se faça o que realmente se quer fazer, talvez alguma garantia de que não vão se decepcionar. Acho isso tão irônico, a vida nunca dá garantias, nem existem garantias, viver é aceitar o desconhecido a cada instante.
Por mais que se planeje o futuro, que se estabeleçam metas, raramente as coisas sairão exatamente como o esperado, sempre existem imprevistos, sempre existem outras possibilidades. E ainda bem! É isso o que faz a vida tão surpreendente!
É preciso se deixar surpreender! É preciso arriscar, vez ou outra, fazer do medo um desafio a ser vencido, e não um obstáculo intransponível. É preciso ter coragem!
Se acomodar às coisas previsíveis e estar sempre em uma zona de conforto não é evitar o sofrimento, é se privar de viver, é anular-se. Aliás, penso que tentar evitar o sofrimento é a maneira mais convencional de ser infeliz.
E o sofrimento é parte determinante de nós mesmos, é ele quem nos faz maiores e melhores, que nos aproxima de nós mesmos. Evita-lo é evitar a si próprio e, muito provavelmente, será em vão. Ninguém consegue evitar de sofrer, todos nós sofremos o tempo todo! E a cada instante há pelo menos um milhão de pessoas no mundo passando por situações iguais ou piores. Não estamos nunca sozinhos neste barco, não somos vítimas (muito menos as únicas) da vida ou das circunstancias como gostamos de pensar.
E o mais importante: ninguém é responsável pelo nosso sofrimento. O sofrimento, como disse, é parte de nós mesmos. Sofremos pelas expectativas que criamos –inconscientemente ou não- e que não se realizam, sofremos por esperar demais, por planejar demais, sofremos pela nossa própria exigência. As pessoas não nos fazem sofrer, nós é que permitimos que o sofrimento aconteça, que a decepção aconteça, muitas vezes aquele alguém que julga tê-lo decepcionado fez o melhor que pôde, você é que esperava mais.
Isso tudo é conseqüência do medo de arriscar, de simplesmente aceitar o desconhecido. Há tanto medo em aceitar as coisas e as pessoas sem esperar nada delas, sem estabelecer protótipos, porque falta coragem de seguir um caminho sem placas. Queremos sempre ter em que se basear, em que se orientar, queremos saber onde estamos pisando, pra onde estamos indo. Criamos inúmeras suposições em nossa mente, e elas, muitas vezes, são negativas e nos impedem de seguir o caminho que, no fundo, queríamos tanto. Isso sim é ser infeliz, isso sim é sofrimento! Deixar que o medo cale o coração.
No fim essa escolha é inútil porque, na verdade, nunca temos nada a perder! O sofrimento que pensamos poupar, um dia virá de alguma maneira, já a felicidade que deixamos de viver, pode nunca mais voltar. O sofrimento está sempre presente em maior quantidade, aparece com muito mais facilidade e rapidez, a felicidade é mais sutil, quase nunca a enxergamos e, quando isso acontece, não podemos deixar que se vá! O mundo já é tão cheio de tristezas e dor, que ignorar oportunidades de ser feliz por medo é estúpido demais!
Não poupe o seu coração, essa é a forma mais feroz de aniquilá-lo. Ouça-o, siga-o, apesar de todas as conseqüências! Acredite, ele sempre sabe o caminho!
Não espere promessas nem garantias de nada nem de ninguém, não espere a certeza de que não irá se machucar ou se decepcionar, essa certeza não existe, você só saberá tentando. Arrependimento é um preço muito pequeno a pagar diante da enormidade da incerteza de nunca descobrir o que haveria por trás daquele “e se…”.
Pare de apoiar-se no futuro e nas suas suposições, faça acontecer! Descubra quais são as verdadeiras possibilidades, faça o que quer fazer, o que seu coração grita! Espere menos, pense menos, viva mais! O instante certo é somente o agora! Mesmo que tudo dê errado, no fim haverá aquela grande satisfação de ter tentado, de ter feito tudo o que pôde, sem medir esforços, até as últimas conseqüências. Isso é acreditar, é ter coragem, é viver! O que você está esperando?

…………………………………………………………………………………………………………………………………

Texto mais descontraído, diferente. Bem simples, sem grandes novidades, apenas uma reflexão que acabo de fazer.
Por hoje é só.

 

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

3 respostas para Ao que não arrisca.

  1. Fernando disse:

    Demorou ein… tava na hora jah…
    mas a questão é: vc realmente considera tudo isso ou como a maioria apenas falou pra fora da boca e enguliu a hipocrisia?

  2. Evelyse disse:

    Use Filtro Solar 😀

    ahuahua

  3. A vida é um mar de incertezas! E para se estar nela, realmente é preciso coragem.

    Bela reflexão!

    Bjs carinhosos.

    Erica

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s